Internacional

Fecho da TV pública Grega – Manifestantes e polícia de choque concentrados em frente ao edifício da estação

Profissionais da estação recusaram abandonar as instalações após a ordem de encerramento do Governo de Atenas.

Milhares de pessoas manifestaram-se em frente  ao edifício do canal. A emissão continua na internet (Fonte: anonimosecxxi.blogspot.com)

Milhares de pessoas manifestaram-se em frente ao edifício do canal. A emissão continua na internet
(Fonte: anonimosecxxi.blogspot.com)

Durante toda a noite, milhares de pessoas protestaram contra o fecho da televisão pública grega, que encerrou ontem à meia-noite. A concentração durou até esta manhã, em frente à sede da ERT, estação estatal de rádio e televisão da Grécia. Os manifestantes opõem-se à decisão de suspender o serviço público e de encerrar a empresa. As medidas estão a ser consideradas um “golpe de Estado” e um “atentado à democracia”, avança o jornal Público.

Esta manhã, vários funcionários dos canais públicos, foram trabalhar com a emissão a ser transmitida pela internet, em www.ert.gr, através das frequências digitais e ainda pelo canal local – o 902, que pertence ao partido comunista KKE, que disponibilizou o canal aos jornalistas da estação pública

A decisão do fecho dos canais públicos foi anunciada na véspera, e vários funcionários recusaram-se a abandonar os estúdios e estão a assegurar a transmissão de debates sobre a decisão relâmpago do Governo. O fecho é justificado pela necessidade de por fim a uma alegada má gestão e desperdício financeiro do canal ERT. “É um cado excepcional de falta de transparência e de incrível extravagância”, afirmou o porta-vos do executivo, Simos Kedikoglou.

Esta medida atirou para o desemprego imediato cerca de 2700 pessoas, que segundo o porta-voz, vão ter oportunidade de se recandidatar às antigas funções quando um novo concurso de recrutamento de pessoal for aberto, para uma nova e “mais moderna” operação do Estado.

Antes do corte do sinal, à meia-noite, nos últimos minutos de emissão, o pivot Antonis Alafogiorgos, despediu-se classificando a decisão como “um golpe na democracia”. O responsável pela editoria internacional, Olin Linardatou afirmou à BBC que “estamos todos em choque e estamos todos muito zangados. Não podemos aceitar que um regime democrático como o grego venha a prescindir do serviço público”.

O Governo enviou a polícia de choque para as proximidades da ERT, devido à concentração de manifestantes, que levaram bandeiras e faixas que deploravam o “autoritarismo” do primeiro-ministro conservador, Antonis Samaras.

O sindicato dos jornalistas de Atenas convocou uma greve de 48 horas, a partir de amanhã, em protesto contra o encerramento da ERT e em solidariedade com os seus colegas.

A estação de rádio e televisão do Estado foi criada em 1938.

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s