Em Foco

Bairro Estrela de Ouro: A preciosidade escondida em Lisboa

Este slideshow necessita de JavaScript.

“Isto é uma aldeia dentro de Lisboa”, disse Ana José Alves, moradora no Bairro Estrela de Ouro, mais conhecida por Zézé.

Lisboa é uma cidade conhecida pela sua história e antepassados, mas na encosta oriental da cidade existe um bairro que revela que a cidade não é assim tão caótica como aparenta ser.

No meu percurso em busca do bairro Estrela de Ouro, escondido perto da freguesia da Graça deparo-me com a estranha sensação de começar a minha caminhada perdido. Mas que mais tarde se veio a confirmar que era mentira.

Ao chegar à freguesia da Graça o que chama a atenção é a frente de um edifício, com umas esculturas estranhas na sua parede, e ai me apercebo que cheguei ao local certo. Estava em frente ao antigo Cine Royal, o primeiro cinema em Portugal a passar um filme com trilha sonora, que actualmente é um supermercado.

Após saber onde me encontrava tinha de saber mais sobre o mítico lugar em que me encontrava e para isso bastou-me seguir as estrelas que estavam calcetadas nos estreitos passeios do monte da Graça.

Quando parei para descansar um pouco da subida ingreme deparei-me com a entrada dita “oficial” de um local bastante harmonioso, acabara de entrar no bairro Estrela de Ouro. Depois de recuperar o fôlego continuei o meu percurso para conhecer melhor o local que este ano faz 106 anos de existência.

A Zézé moradora no bairro desde que nasceu, há 76 anos, relembra o Agapito Serra Fernandes, o homem que criou o bairro e qual o seu objectivo.

“O sr. Agapito era um grande homem que construiu este bairro para os seus empregados, entretanto quando faleceu um filho continuou a empregar as pessoas, tudo o que fosse operário para a ele era o principal em ficar aqui como arrendeiro e, não aceitava pessoas que tivessem mais de três filhos”.

Um bairro que actualmente acolhe cerca 250 famílias dividas por casas baixas que remontam ao do inicio do século XX e que são distinguidas pelas cores verde, amarelo, vermelho e branco.

Numa área onde em cada canto existe uma estrela, a sra. Ana diz que as estrelas espalhadas pelo bairro são “a estrela da vida do sr. Agapito, o mundo dele era uma estrela, era uma imaginação que ele tinha e como essa criou o bairro estrela, era uma estrela que o guiava”.

Salientando o Cine Royal, local onde Portugal no dia 5 de Abril de 1930, assistiu ao primeiro filme sonoro. Sombras Brancas nos Mares do Sul, foi o filme que deu fama a este bairro que disfruta de uma grande vista sobre a cidade de Lisboa.

Ana José Alves depois de me ter explicado um pouco da história do bairro, fez questão de me levar à antiga casa de Agapito Serra Alves, que actualmente serve de lar. Um local fechado, que quando se entra, parece que entramos noutra dimensão do bairro. Uma zona vasta em jardim, onde se encontra uma capela, fonte e uma cascata que nada foram alteradas desde do dia em que foram construídas. Dentro da antiga casa do sr Agapito, deparo-me com um átrio que voltou atrás no tempo, mobília da época e com um tecto com um vidraça de várias cores, mostrando ter sido um local onde decorriam os bailes e festas da altura.

Para finalizar a viagem a dona Zézé levou-me à glamorosa vista que a casa do sr. Agapito tem sobre Lisboa, onde se pôde ver desde o rio Tejo passando pelas torres de Lisboa até à zona de Roma, sem qualquer interferência visual.

Este bairro escondido na zona histórica de Lisboa mostrou-me que com o passar do tempo não deixou de brilhar.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s