Nacional / Notícias

Professores em protesto

Professores de todo o país marcharam hoje desde o Marquês de Pombal até  à Praça do Rossio, em defesa da sua profissão e da escola pública, da qualidade do ensino, pelos direitos dos trabalhadores e contra os cortes na educação, onde se prevê o despedimento de 50 mil profissionais.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Às 15:30 já se encontravam na rotunda do Marquês de Pombal milhares de professores de diferentes zonas do país, incluindo um pequeno grupo da Região Autónoma (RA) dos Açores, empunhado bandeiras de vários sindicatos, que responderam ao apelo lançado pela FENPROF (Federação Nacional dos Professores). Na RA da Madeira decorreu uma ação no Funchal.  A manifestação desceu a Avenida da Liberdade, rumo ao Rossio, com palavras de ordem como “Merece prisão quem destrói a educação”, e “Crato para a rua! A escola não é tua!”, que eram repetidas pelos milhares de manifestantes.

“O corte nos recursos da educação, a instabilidade dos colegas que vão ficar no desemprego e que já trabalham há muitos anos, é eticamente incorreto e gravíssimo do ponto de vista económico” foram as razões que levaram Maria José Vilas Lobo, professora no Centro Novas Oportunidades, a participar na manifestação de hoje. A socióloga defende que a qualidade do ensino vai diminuir e que “vão pôr os professores a dar muito mais aulas, até isso os levar a um esgotamento”.

Por volta das 17 horas estavam a chegar muitos manifestantes, quando o plenário final começou. Arménio Carlos, secretário-geral da CGTP-IN, falou à cerca da importância da ação sindical nos dias em que vivemos e chamou a atenção para as concentrações e manifestações gerais que vão acontecer a 16 de fevereiro e que foram convocadas pela Central Sindical.

O secretário-geral da FENPROF, Mário Nogueira, afirmou que “este protesto é, simultaneamente um grito de revolta e um abanão na resignação. Tínhamos de o fazer face ao que está a acontecer ao nosso país: entre muitas outras ações extremamente perigosas, estão a tentar demolir o edifício democrático que é a Escola Pública”.

Mariana Paiva Cardoso

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s